• Teresina, 29/06/2022
  • Tempo Hoje: 23° | 23°

Saída de Wellington, posse de Regina Sousa e eleição vitoriosa de Rafael

@Divulgação
Saída de Wellington, posse de Regina Sousa e eleição vitoriosa de Rafael

Três eventos políticos sucessivos e imprescindíveis à gestão político-administrativa do Estado. É uma sequência lógica e inexorável. E essa ordenação cronológica se registrará em quase todo o Brasil e em seus 27 Estados e o Distrito Federal. É a eleição de 2022.

              A desincompatibilização do Governador petista Wellington, assume o seu substituto Regina Souza (primeira mulher a governar o Estado do Piauí), também do PT, e o Secretário da Fazenda, Rafael Fonteles, também filiado ao petismo, e o ungido pelo partido e uma enorme coligação para ser o eventual candidato ao Governo estadual.

              Em sendo uma coligação pluripartidária, o MDB indicou o Vice-governador na chapa governista, tendo sido escolhido o consagrado politicamente, deputado estadual Themístocles Filho, nascido em Esperantina, onde sua esposa é a prefeita daquele importante e influente município, do Meio-Norte piauiense.

              O evento eleitoral de outubro de 2022, trará uma moldagem inédita na composição partidária, que fortalece muito o MDB, PT, PSD, primordialmente, e tendo a eleição uma característica moderna e invulgar, com o congraçamento dos partidos e sua maior interação político-partidária, embora em um jogo que “salve-se quem puder”.

              A modernização dos meios produtivos do Piauí é uma realidade insofismável nos Cerrados, com a produção de grãos; no Semiárido, com as 100 propostas de projetos das energias solar e dos ventos; todos os 224 municípios estão integrados às Brs por asfalto; o último foi o município de Pavussu; na educação, com todos os 224 municípios com cursos de graduação superior oferecidos pela UESPI; na saúde, com a construção de hospitais, maternidades, postos de saúde; na infraestrutura física de estradas e poços com o Pro-Piauí, etc., etc.

              Entretanto, politicamente, o Piauí permanece extremamente conservador, oligárquico e familiar e com pouca perspectiva de mudança, conquanto os agentes políticos não querem, para não perder o poder político-eleitoral.

              É nesse cenário socioeconômico e político que se desenvolverá e marchará o evento eleitoral de outubro de 2022, com as candidaturas propostas de Rafael Fonteles e Sílvio Mendes, respectivamente pelo PT e o Progressistas, mas Rafael será o agraciado com a vitória.

              As críticas às atuações de Sílvio Mendes e Rafael são esperadas. Nenhum estará infenso a elas. Ambos serão demasiadamente criticados, mas a democracia partidária sempre foi assim e assim o será no futuro.

              Ademais o regime político de coalisão partidária sempre existiu fortemente no País; e as eleições sempre gravitam nessas condições e não há sinais de mudança. Vislumbra-se uma configuração de fortalecimento desse partidarismo de coalisão, com os mesmos agentes de hoje, porque as lideranças não se renovam e os mandatos continuam passando de pais para filhos, netos e bisnetos, irremediavelmente.

              O Governador Wellington Dias permanecerá inédito na história da política do Piauí, como o maior líder, exercendo quatro vezes o Poder Executivo do Estado. E não há evidências e/ou sinais de que surgirá outro político com essa característica. E nenhum alcançará esse seu pódio. Os líderes atuais não o superaram nessa circunstância e realidade política.

              A sucessão estadual está muito fortalecida com a governança de Wellington; a entrada de Regina Souza, assumindo o Governo Estadual, assegura o poder político de Rafael; a articulação de Rafael com deputados, prefeitos e lideranças municipais está muito bem e produtiva; Não há restrições dos agentes econômicos e/ou empresários à candidatura de Rafael; as obras estão em andamento e as finanças públicas controladas muito bem pelo Secretário de Fazenda, etc., etc., por conseguinte, a candidatura de Rafael é viável, devendo eleger-se Governador em outubro de 2022.

 

MAGNO PIRES é Diretor-geral do Instituto de Águas e Esgotos do Piauí – IAE-PI, Ex-Secretário de Administração do Piauí e ex-presidente da Fundação CEPRO, advogado da União (aposentado), professor, jornalista e ex-advogado da Cia. Antáctica Paulista (hoje AMBEV) por 32 anos consecutivos.





LEIA TAMBÉM

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Guia Comercial

Veja nossos Planos

Classificados

Anuncie Grátis

Publicidades

Fale Conosco