Teresina Diário - Conteúdo interativo de notícias, vídeos, esportes, lazer, blogs e jornalismo
12/02/2019 - 17:45 hs

Economista Raul Veloso defende retirada da previdência do orçamento do Estado

“Por mais que tenha sido feito um esforço grande, o que ocorre é que o envelhecimento da população e a feroz recessão que nos assolou fazem com que o Estado também entre em um quadro de dificuldades que os outros Estados também estão tendo”, situou Raul Veloso

A convite do Governo do Estado, o economista Raul Veloso esteve no Palácio de Karnak, na última segunda-feira (11), onde se reuniu com o governador Wellington Dias e secretários da Administração e Previdência (SeadPrev), Fazenda (Sefaz) e Planejamento (Seplan). Na pauta, os ajustes na previdência.

Mesmo na contramão do desequilíbrio financeiro que tem levado estados da federação à situação de calamidade pública, o Piauí não está fora do panorama econômico de recessão. Foi o que explicou o economista no encontro com os gestores estaduais. “Por mais que tenha sido feito um esforço grande, o que ocorre é que o envelhecimento da população e a feroz recessão que nos assolou fazem com que o Estado também entre em um quadro de dificuldades que os outros Estados também estão tendo”, situou Raul Veloso.

O quadro de crise nas contas tem o déficit da previdência como um dos principais fatores de risco. A solução apontada pelo economista e corroborada pelo Governo do Piauí é tirar o problema da previdência do orçamento do Estado e tratá-lo em um fundo de pensão, como já se fez em outros casos no Brasil.

“Trata-se de tentar incorporando receitas novas que viabilizem a eliminação desse déficit nesse fundo de pensão ao longo de muitos anos. Não tem nada de novo, é apenas uma forma organizada para eliminar o déficit da previdência do Estado mediante a destinação de receitas, de ativos de receitas que serão recebidas mais adiante”, destacou Veloso.

Sobre a reforma da previdência, discutida em âmbito nacional, o economista aponta para uma política que permita que as unidades federativas tenham mais espaço financeiro para atender as necessidades da população, o que atualmente tem sido um impasse para o desenvolvimento de Estados e Municípios.

 

 

 












Comentários

*Todos os comentários são moderados. Isso quer dizer que nós lemos todas opiniões e damos preferência para aquelas que agregam mais informação, que tenham personalidade e que não ataquem o autor ou outros leitores do site. O seu email não será publicado ou comercializado.*